1


Considerados por muitos “casca grossa” pela sua sinceridade, por outros uma possibilidade de moralização da capital federal, dono de 511 mil votos para o senado em 2010, 155 mil em 2014 para a Câmara dos Deputados e de um discurso forte, o deputado Alberto Fraga (DEM-DF) tem sido discreto em suas aparições, o que não significa que o trabalho que está sendo desenvolvido por seu grupo não esteja apresentando os resultados esperados.


Candidatíssimo ao governo do Distrito Federal em 2018, Fraga tem comparecido a inúmeras reuniões onde tem colocado seus projetos de governo. Apesar da grande mídia, que sabiamente é bancada por polpudas verbas publicitárias, insistir em negar seu nome em suas pesquisas de opinião, Fraga tem seu próprio mecanismo de pesquisas e está muito bem cotado. “Não me arriscaria concorrer ao governo se a realidade não me fosse passada com veracidade e transparência, afinal, está em jogo o comando da capital do país”, afirmou Fraga.


“Mas para quem postula cargo de tamanha envergadura e que vem com um crescimento constante junto à opinião pública, virar vitrine e sofrer ataques é absolutamente normal, em especial vindo daqueles que detêm o poder da máquina administrativa e que buscam de todas as formas denegrirem e macular a imagem de seus adversários”, disse Fraga, ouvido pelo blog acerca da reportagem publicada hoje no DFTV 2ª Edição e no site G1/DF, que foram requentar um processo de 2011 que estava no TJDFT e que subiu para o STF, sob segredo de justiça, pelo fato de Fraga ser parlamentar desde 2014.

Segundo Fraga, a reportagem nitidamente imatura e com características meramente políticas, menciona que “supostamente” ele tenha discutido sobre propina. Vários diálogos foram publicados, no entanto, Fraga informou que esqueceram a parte mais importante que demonstra sua lisura que é onde ele afirma categoricamente “que iria denunciar o fato ao governador Arruda e que não seguraria nada”. Uma nota foi emitida pelo parlamentar:




Uma das vantagens sobre os demais postulantes ao Buriti é o fato de que seu nome não está envolvido em escândalos, por mais que se tente ligá-lo sempre a algum fato, ao contrário de outros candidatos que até presos foram. Fraga tem um grupo muito forte dentro do cenário político do DF e sua experiência parlamentar e respeito na Câmara Federal o credenciam como um dos favoritos à cadeira 01 da capital federal, contrariando obviamente a oposição.


Outro fator preponderante que poderá definir os pleitos de 2018 é o fato de Fraga ter o apoio dos militares do DF (ele é coronel da reserva da PM) e defender seus interesses. Reconhecidamente, os militares são considerados os maiores cabos eleitorais do país. Em 2014, Agnelo sofreu na pele os descasos que praticou contra essas categorias e sequer foi a segundo turno, numa clara demonstração de que hoje essas classes podem influenciar diretamente o cenário político do DF e decidir até mesmo uma eleição. Rollemberg caminha no mesmo rumo.


Eleito em 2014 com 155 mil votos, especialistas dizem que se na época das eleições Arruda tivesse cedido a vaga a ele ao contrário de Frejat, com certeza Brasília hoje estaria sendo governada por Fraga. “Ele tem um “Q” diferente que aproxima o povo do poder. Seus discursos são simples e diretos traduzindo a linguagem que a população tenta passar a seus governantes”, disse um especialista.


O fato é que Fraga acompanha e aguarda discretamente o desenrolar dos cenários. Muitas conversas estão se desenvolvendo nos bastidores e apesar da mídia convencional, muitos sites e blogs declararem uma ferrenha oposição à sua figura, tentando levar o eleitorado a uma confusão eleitoral, ele acredita que a sociedade de Brasília não aguenta mais os desmandos de governos que entram e saem sem nenhum compromisso com a população. “A população de Brasília amadureceu, está mais seletiva e sabe fazer suas escolhas com consciência. Nós continuamos trabalhando humildemente e dos bastidores só conhece quem nele está. Se a população desejar, estarei pronto para resgatar a dignidade e o respeito que nossa capital merece”, disse Fraga.


Da redação,



Por Poliglota...

Postar um comentário

Halk boa tarde
me faz um favor em relação ao comentários que rondam nos bastidores que o auxilio moradia não estaria sendo pago nas indenizações quando para passagem para RR, porém o bombeiro mais uma vez estaria saindo na frente e pagando essa diferença, entrei em contato na DIPC e me informaram que não chegou nada pra eles em relação a essa diferença, mas o bombeiro estaria a todo vapor fazendo requerimento para que seja pago a diferença.
Grato: Cavalcanti.

Obrigado pelo seu comentário. Não publicamos neste blog comentários com palavras de baixo calão, denúncias levianas e troca de ofensas entre leitores.